Bicicletário Subterrâneo

Muito legal esse bicicletário, um modelo parecido existe pra carros em edifícios garagem. Agora seria muito legal implementar para bicicletas no Brasil. Acomoda 800 bikes e custa US$ 30,00/mês e 15US$/mês para estudantes.

Acessibilade dos ciclista ao metrô

A proibição de utilizar a escada rolante do metrô, no Rio de Janeiro, me fez procurar algum blog sobre esse assunto. E encontrei o Ciclo Liga que abordou de forma bem inteligente o assunto em São Paulo.

Inclusive conseguiram um grande avanço para a liberação da utilização das bicicleta na escada rolante. Que foi a liberação da utilização, da escada rolante, pelo menos na subida.

Segundo o  metrô do Rio de Janeiro:

fonte : http://www.metrorio.com.br/bicicletario.htm

Abordagem do blog ciclo liga sobre o assunto:

fonte: http://www.cicloliga.org/

Perder pra ganhar

Perder pra ganhar

Às vezes é preciso perder para dar VALOR.
É preciso chorar para aprender a AMAR.
É preciso confiar para se ENTREGAR,
e ainda assim a grande verdade é que,
é preciso ouvir para nunca GRITAR.
Todos irão sofrer um dia, para saber,
o verdadeiro sentido da felicidade!

Se sentir saudade:PROCURE.
Se sentir vontade: FAÇA.
Se tiver obstáculos: LUTE.
Se perder: NÃO SE ABATA.
Se gostar: VIVA!
“Muitas vezes deixamos de lutar pelo que realmente queremos pelo simples fato de não querer ouvir um NÃO…
o erro faz parte de todo o ser humano…
perdoar é preciso…e correr atrás daquilo que realmente queremos é uma obrigação nossa!!!
Viva… ame… pense… erre…
e depois do erro corra atrás de refazer o seu acerto
nada é pra vida toda!!

Fênix

fênix ou fénix (em grego ϕοῖνιξ) é um pássaro da mitologia grega que, quando morria, entrava em auto-combustão e, passado algum tempo, renascia das próprias cinzas. Outra característica da fénix é sua força que a faz transportar em voo cargas muito pesadas, havendo lendas nas quais chega a carregar elefantes. Podendo se transformar em uma ave de fogo.

Teria penas brilhantes, douradas, e vermelho-arroxeadas, e seria do mesmo tamanho ou maior do que uma águia. Segundo alguns escritores gregos, a fénix vivia exatamente quinhentos anos. Outros acreditavam que seu ciclo de vida era de 97.200 anos. No final de cada ciclo de vida, a fénix queimava-se numa pira funerária. A vida longa da fénix e o seu dramático renascimento das próprias cinzas transformaram-na em símbolo da imortalidade e do renascimento espiritual.

Os gregos parecem ter se baseado em Bennu, da mitologia egípcia, representado na forma de uma ave acinzentada semelhante àgarça, hoje extinta, que habitava o Egito. Cumprido o ciclo de vida do Bennu, ele voava a Heliópolis, pousava sobre a pira do deus , ateava fogo em seu ninho e se deixava consumir pelas chamas, renascendo das cinzas.

Hesíodo, poeta grego do século VIII a.C., afirmou que a fênix vivia nove vezes o tempo de existência do corvo, que tem uma longa vida. Outros cálculos mencionaram até 97.200 anos.

De forma semelhante a Bennu, quando a ave sentia a morte se aproximar, construía uma pira de ramos de canelasálvia e mirra em cujas chamas morria queimada. Mas das cinzas erguia-se então uma nova fénix, que colocava piedosamente os restos da sua progenitora num ovo de mirra e voava com ele à cidade egípicia de Heliópolis, onde os colocava no Altar do Sol.

Dizia-se que estas cinzas tinham o poder de ressuscitar um morto. O imperador romano Heliogábalo (204-222 d. C.) decidiu comer carne de fénix, a fim de conseguir a imortalidade. Comeu uma ave-do-paraíso, que lhe foi enviada em vez de uma fénix, mas foi assassinado pouco tempo depois.

Atualmente os estudiosos creem que a lenda surgiu no Oriente e foi adaptada pelos sacerdotes do Sol de Heliópolis como uma alegoria da morte e renascimento diários do astro-rei. Tal como todos os grandes mitos gregos, desperta consonâncias no mais íntimo do homem. Na arte cristã, a fénix renascida tornou-se um símbolo popular da ressurreição de Cristo.

Curiosamente, o seu nome pode dever-se a um equívoco de Heródoto, historiador grego do século V a.C.. Na sua descrição da ave, ele pode tê-la erroneamente designado por fénix (phoenix), a palmeira (phoinix em grego) sobre a qual a ave era nessa época representada.

  • A crença na ave lendária que renasce das próprias cinzas existiu em vários povos da antiguidade como gregos, egípcios e chineses. Em todas as mitologias o significado é preservado: a perpetuação, a ressurreição, a esperança que nunca têm fim.
  • Para os gregos, a fénix por vezes estava ligada ao deus Hermes e é representada em muitos templos antigos. Há um paralelo da fénix com o Sol, que morre todos os dias no horizonte para renascer no dia seguinte, tornando-se o eterno símbolo da morte e do renascimento da natureza.
  • Os egípcios a tinham por “Bennu” e estava relacionada a estrela “Sótis”, ou estrela de cinco pontas, estrela flamejante, que é pintada ao seu lado.
  • Na China antiga a fénix foi representada como uma ave maravilhosa e transformada em símbolo da felicidade, da virtude, da força, da liberdade, e da inteligência. Na sua plumagem, brilham as cinco cores sagradas.RoxoAzulVermelhaBranco e Dourado.
  • No ínicio da era Cristã esta ave fabulosa foi símbolo do renascimento e da ressurreição. Neste sentido, ela simboliza o Cristo ou oIniciado, recebendo uma segunda vida, em troca daquela que sacrificou.
  • No Acidente na mina San José em 2010, a cápsula que estava retirando um por um dos 33 mineiros foi chamada de Fênix, porque o resgate deles a uma profundidade muito funda de terra lembra a ressureição da ave mítica das cinzas.