Teatro para alguém


O Teatro Para Alguém é a primeira companhia de teatro brasileira a produzir espetáculos pensados para a internet. Desde 2008, já passaram por aqui 150 profissionais do teatro, cinema, TV e internet para transmitir ao vivo quase 40 peças inéditas, hoje disponíveis gratuitamente para acesso a qualquer hora de qualquer parte do mundo.

O trabalho inédito motivou dezenas de reportagens e levou o site à final do 22º Prêmio Shell de Teatro de São Paulo 2009, na categoria Especial, “pela iniciativa de criação cênica via internet”.

Site Teatro Para Alguém exibe peças ao vivo na internet. Mais uma maneira de democratizar a cultura.

fonte: www.teatroparaalguem.com.br

Anúncios

Globalização da Informação Educacional

Ontem à noite assistia o telejornal da globo, e uma reportagem me chamou atenção, não sei se foi pelo fato de ser uma boa notícia, no meio de tantas ruim.

A notícia abordava sobre a divulgação de aulas e cursos das mais renomadas universidades do mundo, através da internet, pelo site Veduca. Isto, tornará o acesso a informação universitária de ponta, mais fácil a população que possui acesso a internet.

Reportagem do jornal da noite (07/05/2012)

[http://youtu.be/iyM2qRwW9jk]

fonte:

Serviço ‘resgata’ bêbados e carros em Londres

A Grã-Bretanha tem o limite de teor alcoólico para motoristas mais alto da Europa: 8 decigramas de álcool por litro de sangue, o equivalente a dois copos de 570 ml de cerveja.

Mas quem é flagrado com um teor alcoólico acima do limite pode pegar até seis meses de prisão, ter a carteira de motorista suspensa por 12 meses e está sujeito a uma multa de até 5 mil libras esterlinas (quase R$ 16 mil). Para evitar as punições, surgiram serviços que permitem que os motoristas saiam de carro e bebam à vontade. Um deles é o Scooterman.

A empresa surgiu em 1999, fundada por dois amigos, Robert Willliamson e Edmond Hewitt. Eles queriam oferecer uma operação em que um chofer particular fosse buscar o cliente que tinha bebido mais que o permitido e o levasse para casa em seu próprio carro. A inovação do serviço é que o chofer chega para buscar o cliente numa mini-motocicleta desenhada especialmente para a empresa.

A moto é então desmontada, colocada em sacolas e, minutos depois, está encaixada no porta-malas do carro do cliente. O motoqueiro vira motorista particular até que o dono do carro chegue em casa, são e salvo, e sem causar acidentes.

“A nossa moto cabe em qualquer porta-malas, mesmo nos menores carros”, garante o diretor da Scooterman Robert Williamson.

Mark Peterson, um publicitário que se tornou freguês assíduo da empresa, elogia o serviço.

“Eu bebi o dia inteiro e o serviço é fantástico. Custa menos que andar de táxi e eu acordo no dia seguinte em casa, com meu carro na garagem”, diz ele.

O scooterman conta com cerca de 30 motocicletas só na capital britânica e já tem franquias em outras cidades do país.

Fonte

Veículos híbridos terão ruído artificial para segurança dos pedestres

Carro Elétrico

Os veículos híbridos são tão silenciosos quando estão operando apenas com seus motores elétricos que eles estão se transformando em um risco para pedestres e, principalmente, para cegos e pessoas idosas.

Um estudo feito por psicólogos da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, afirma que um pedestre em perfeita saúde terá somente um segundo para detectar de forma audível a aproximação de um veículo híbrido rodando em velocidade baixa.

Segundo Laurence Rosenblum, coordenador do trabalho, a nova tecnologia de automóveis terá que receber modificações para não se transformar em um sério risco para os pedestres em geral, mas principalmente para crianças pequenas, idosos, cegos, corredores e ciclistas.

Silêncio dos veículos híbridos

Rosenblum analisou sons reais de automóveis comuns, com motores a combustão, e de veículo híbridos, rodando apenas com seus motores elétricos. Os resultados mostraram que um veículo híbrido deve estar 74% mais próximo do que um veículo com motor a combustão, para que as pessoas consigam identificar de qual lado ele está vindo.

“As pessoas podem avaliar corretamente a aproximação de um carro a combustão quando ele está a cerca de 9 metros de distância,” explica o psicólogo. “Mas elas somente conseguem avaliar a direção de aproximação de um híbrido quando ele está a 2 metros de distância.”

Som artificial

A experiência foi feita unicamente com os sons, sem que as pessoas estivessem vendo os carros, porque o objetivo direto da pesquisa é mensurar os riscos que os novos veículos criam para pessoas cegas.

Em velocidades mais altas, acima de 40 km/h, os ruídos dos pneus e do movimento do ar são suficientes para diminuir os riscos.

Segundo os pesquisadores, a solução mais simples e barata para o problema será a colocação de um pequeno alto-falante nos carros, emitindo um ruído característico nos momentos em que ele estiver se movimentando unicamente com o motor elétrico e abaixo dos 40 km/h.

Fonte